6.12.17

Tag an user

É só comparar os perfis e a presença de um nas postagens do outro pra constatar.
Você escondeu um enquanto outrem te esconde.

Lei do Retorno

Como religioso incrédulo que sou,
um dos poucos momentos onde a vejo funcionar é na rejeição:

Rejeite
e a rejeição estará nas mãos do outro
que é teu objeto,
e não aquele rejeitado por ti,
apontada para teu auto bem querer.

30.11.17

Conclusão

É muito difícil ter uma relação saudável com alguém te causou uma grande perda em tempo, energia e dinheiro.

13.11.17

Poema 7

Nuvem Aglomerado de gotas Diminutas de água ou De cristais De gelo Em suspensão no ar, E que dão origem Às chuvas. Qualquer Acúmulo De pó, Fumaça No ar. Qualquer coisa Com aparência De nuvem. Nú Vens De algodão Em rama. Grande quantidade de coisas, Geralmente em movimento; Grupo, Multidão. Uma nuvem De gafanhotos. Enevoamento passageiro da vista; Embaciamento: Sentiu uma nuvem. Diante dos olhos, Aquilo que impede a compreensão, A percepção: A nuvem da ignorância. Tristeza, Melancolia; Aquilo que tira a paz: A harmonia ao ouvir aquelas palavras: "Uma nuvem escureceu-lhe o semblante".

Poema 6

Lido
que tem conhecimentos
obtidos por leituras
culto versado
entendido um homem
lido tem os horizontes
mais abertos que se leu
ou se lê esquecido

Poema 5

Saudade
sentimento melancólico
devido ao
afastamento de uma pessoa,
uma coisa
ou um lugar,
ou à ausência
de experiências prazerosas já vividas
saudade de uma amiga
certa
cantiga
entoada
em alto
-mar
por mar
inheiros.
designação comum
a várias plantas
de diversas famílias,
especialmente
da família
das dipsacáceas
e das compostas;
saudades,
suspiro,
suspiros.
erva de até 60 cm
(Scabiosa atropurpurea)
da família das dipsacáceas,
com flores vistosas,
roxas,
rosas ou brancas,
nativa da Europa
e muito cultivada como ornamental;
escabiosa,
flor-de-viúva,
saudades-roxas,
suspiro-dos-jardins,
viúva,
viúvas.
ASSOBIADOR!
Tijuca.
cumprimentos amigáveis
de quem sente ou
diz sentir a falta
de outrem.
"dê-lhe minhas saudades"
SAUDADE:
designação comum

Poema 4

COISA
tudo o que existe ou possa existir,
de natureza corpórea ou incorpórea.
qualquer ser inanimado.
os viventes e as COISAS
realidade, fato concreto,
em relação ao que é abstrato
ou assim considerado.
importam mais as COISAS que as palavras
algo que não se quer
ou não se pode nomear.
uma porção
de COISAS
aquilo de que se está
tratando ou falando. aqui
ninguém
fala noutra COISA
relação, ligação, vínculo.
não temos
COISA alguma
com eles
interesse próprio,
negócio, ocupação.
cada qual trata
de suas COISAS
ato, empreendimento,
empresa. COISA
espetacular foi a chegada
do homem à Lua
o que acontece;
ocorrência, evento, caso.
a COISA se deu enquanto
ele dormia
a reunião
era para tratar
de COISAS
importantes
disse que não
faria isso
por COISA
nenhuma
mal-estar ou
indisposição
súbita;
ataque.
algo imprestável,
velho ou maltratado;
traste,
troço.
o diabo.
bens,
propriedades,
valores.
órgãos
genitais externos
do homem ou
da mulher.

Poema 3

Lar
local,
na cozinha,
onde se acende
o fogo;
lareira.
a casa
de habitação;
domicílio
familiar.

Poema 2

Casulo
ent
envoltório de seda
construído pelas larvas
de insetos holometabólicos,
dentro do qual passam
o período de pupa.
arac
invólucro de seda
fabricado
por certas aranhas
para abrigar
os ovos.

Poema 1

Remorso
inquietação,
abatimento da consciência
que percebe ter cometido
uma falta,
um erro;
arre-
pendimento,
remordimento.

10.11.17

DaVida


Rascunho

Sobre o meu pedido pra você mudar a senha, saiba que não li conversa alguma, como te disse que não faria. O que fiz foi ver você falando que estava doente pra justificar o motivo de não ter me ver no dia enquanto usava a wifi do seu namorado, dizendo que estava na sua casa. É um poder que não quero nunca mais ter, mas que me serviu pra pôr um fim no que tanto me incomodava, que era a forma como estávamos conduzindo nossa relação. Com você me senti no mais alto dos cimos e no furo no buraco do orifício. 

Havia algo de podre no Paraíso, como sempre.

Sobre ser doença a paixão, não sei se entendeu bem, não ficou claro. Mas é só ver às más escolhas que fiz, a impulsividade e até a alegria exacerbada de te ter por perto, o delírio: prejudicar minha relação anterior com um namoro paralelo,, largar o emprego, aprender a roubar senhas... O resultado disso tudo é que perdi você, perdi a Natália, perdi a casa e ganho bem menos do que ganhava trabalhando mais e pior.
Lembra da Margot Tenenbaum? Lembra da fala do Richie quando ela pergunta se foi por causa dela que ele tentou suicidar? Ele responde: Sim, mas não é culpa sua.
Fiz escolhas erradas, Cecilia, e estou lidando com as consequências delas. Nada é culpa sua. O mais infantil nessa estória fui eu mesmo.

Esse tempo curto de convivência contigo me trouxe algumas das coisas mais intensas que já experimentei e você se tornou uma referência do que mais me faz feliz e do que mais quero fugir também. Não são aspectos separados: quero fugir dessa felicidade toda mesmo. É bom de mais não ter controle, se entregar, sentir que se tem uma força sobre humana capaz de superar qualquer adversidade, ter ideias e inspirações incessantes,  sentir-se no controle do porvir. Ser o Mr. Manager, o carismático, o pau maravilhoso, o Kasparov... Tudo vaidade.

Pra terminar, assim como não sou do tipo que fica lendo suas conversas também não vou ficar te procurando, te perturbando. Seria muito mais patético e sem vergonha do que já fui com você, te abrindo minha casa e te dando amor depois de você já ter agido com descaso, mentira e desconsideração na semana anterior. Pensei que as coisas tinham mudado, mas não tinham, na última vez em que eu fui em Vila. Você usou uma verdade pra comprar espaço pra mais mentiras, Cecilia. Então não ponha só nos meus erros os motivos da sua infelicidade porque ela é a última coisa que  gente tá compartilhando: Uma última coisa pra gente viver junto.

Se cuida.

24.9.17

Desdém de (+)

O (=do) homem
{o negro,
[(desde que negado).(não nego)]
o músico,
(desde os primeiros voos ao norte)
o poeta,
(desde o dedicado)
o artista,
(desde sempre)
o dedicado
(desde o seguro)
[amado(?)
(desde o procurado+/-?)
(desde o réu+/-?)]
que nunca fui.
___________________

[A identidade
(Só).(se é livre)
No paradoxo.]}

R$Desdém,00.(?)

18.9.17

Salvar como...

A
acendendo um incenso
G#7
cujo efeito não sei,
C#m7
e que não se dissipe
C#m7    C#m7#
que fique
F#7
ocupe todo o ar
B7
e se solidifique
E
no teu caminhar

quando ao fundo as paredes
cor de ausência
minhas sedes
salinas, pequenas
que se entornaram
demências
no comunuicar

Am
no lido
E
fui a caminhar
Am
vejo a babilônia
E
a me convidar
B7
para entrar

o que digo é errado
e incerto
não sei mais como penso
que senso
tu podes me cobrar
se todo meu sustento
vai se dissipar

que condições eu tenho
de ser coerentte
se meu oxigenio
presente
na queima
desta merda de incenso
o ira carbonizar

no lido
fui a caminhar
vejo a babilônia
a me convidar
para entrar

C#m

-------------------------------------------


G                                      G7/B
além de por  perto
                 C            Eb
não te quero

além de em mim
não te tenho

            Em
e apesar de insistir
               D                    C
nessa ideia de ser só
       Ab          G
contigo estou

apesar de ausente
eu te vejo

apesar da dureza
eu te beijo

e além de não ter
um querer definido

e apesar de entrever
entreouvir indeciso

e pra além do que diga
ou o que faças comigo

e apesar de dizer e fazer
tão pouquinho

e além de entender
e apesar de esquecer

eu te sigo

13.1.17

Luz

O meu desejo do invisível
Ter por mim e meu caminho
Apreço tal que me entretenha,
Me envelheça e dê carinho,
Do que é drama se faz lenha
E no que é fogo se faz ninho.

Quanto cabe nessa estante
De prateleiras mesquinhas?
Se memórias nela deito
De manhã já não são minhas.
Mas por que botar defeitos
Se ela a mim tanto se alinha?

Folha

Há um desejo latente
De ser solto feito folha,

Que seca se aleita no vento
Voando vaga tal qual viva
Sem da secura tecer lamento,
Sem do lamento tecer a vida.

Desgarrada de sua origem,
Revela o vento em trajetória,

Aquele, invisível, sem forma,
Que só se sabe porque se sente,
E não só bate como se entorna
Nos veios dela, em corrente.

Saraus

Admiro meus amigos
Que fazem poesia
Aos brados, declamando
Sonetos e sextilhas,

À noite nos saraus,
Nas lotações do dia,
Assim como os "sem métrica",
Ardendo de emoções!

Queria eu também
Sorrir alguns poemas,
Verter essa energia...

Porém, à duras penas,
Componho meu cantar,
Não sou de poesia.
Moço, me vê um egon schiele bacon pra viajem, por favor?

Corais

Carolina,
Cara linda,
Cora de calor.

Queratina,
Querosene,
Quero esse rubor.

Na varanda a tarde cai,
O carro anda e nele vais,
A cabeça, as ancas, o colar que dei...
Que dor!

Alimentamos sonhos vis,
Acalentamos deles bis,
Nos acossamos e aconselhamo-nos,
Dias iguais.
Nos alcançamos para cansarmos
da nossa vida a dois.

Duais
Dos ais
Doí
Doo
Doei
Dá-me aqui.
Dá-me aqui.
Dá-me aqui.

Carolina,
Cara linda,
Cora de calor.

Queratina,
Querosene,
Quero esse rubor.

Na varanda a tarde cai,
O carro anda e nele vais,
A cabeça, as ancas, o colar que dei
De dor.

A Idade

A concretude
Do vapor sólido,
Que arredonda os brônquios,
Atormenta os anseios
E exala uma paz fugaz.
O carvalho quente
Pela faringe falha,
Desinfeta-a de ruídos doces
E esganiça o vértice principal
Da minha injustiça.
A coluna
Se curva
Sob o peso de um céu
Insistente em suas posições
E incerto de refleti-las.
O timo,
Que mesmo assim,
Funde-se ao de outrem,
Imbui-se em esperança
E me faz ainda amoroso.

Arquivo do blog